sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Tarde de sexta-feira qualquer



Uma tarde que poderia ser como qualquer outra, mas tem no timbre quase um poema, um som leve que me faz viajar nas paredes do meu sonho.
Sinto uma paz como há muito não sentia, algo como uma mistura de asas volitando na barriga e plumas acariciando meu instinto.
Sinto-me menos humana, quase fada, parece que agora tudo que quero, posso ter...
Olho pra janela e vejo um céu acinzentado, brando, parece que o mundo parou de respirar, ou está naquele estágio de sono profundo, prudente.
Olho pras minhas mãos e as vejo perfeitamente ‘feitas’ pintadas como gosto, com o capricho cintilante que só minha manicure consegue.
Nesse instante tomando um gole de chá, escrevo para mim mesma, pra me ouvir...
Sinto um total desprendimento de espírito como se pudesse nesse minuto de tempo, flutuar e dançar rodopiando feita bailarina em seu solo, quase cisne, quase tão bela quanto esse tímido sol que estou a ver agora nesse finzinho dessa sexta-feira ‘qualquer’.

texto & imagem by Solange Mazzeto

2 comentários:

Regina Fernandes disse...

Ah Solange, que sexta-feira gostosa! Rodopiar como bailarina é tudo de bom!

Bjs
Lindo final de smena.

Sole disse...

Oi Regina foi sim uma bela sexta-feira.
bjão querida, lindo fim de semana pra vc tbm, td de ótimo pra ti

eXTReMe Tracker

Marcadores